Acordo Ortográfico

sábado, setembro 24, 2005

A UNIFICAÇÃO ORTOGRÁFICA DA LÍNGUA PORTUGUESA

Muito se tem ouvido falar em “unificação da língua portuguesa”. No entanto, essa é uma afirmação um tanto equivocada. O que está para entrar em vigor, mas ainda não se sabe quando, é um Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.
O português, atualmente falado em quatro continentes por 210 milhões de falantes, é a língua ocidental mais falada após o inglês e o espanhol. É, ainda, a única língua falada por mais de 100 milhões de pessoas que possui duas ortografias. O espanhol, que apresenta dezenas de variações de pronúncia na Espanha e América hispânica e que é falado em vários países, possui apenas uma ortografia.
A existência de duas ortografias, a lusitana e a brasileira, é prejudicial à unidade do idioma, pois dificulta sua divulgação e sua aceitação em constituições internacionais. No intuito de reverter tal situação, a Academia Brasileira de Letras e a Academia de Ciências de Lisboa elaboraram, ao longo da década de 80, com a participação de filólogos e representantes da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa)1, um Acordo Ortográfico. Assinado, em 16 de dezembro de 1990, por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, o Acordo previa que sua entrada em vigor deveria acontecer em 1º de janeiro de 1994, após o depósito dos instrumentos de ratificação de todos os Estados junto ao governo da República Portuguesa. Como a maior parte dos países-membros não conseguiu ratificar o Acordo Ortográfico dentro do prazo previsto, os chefes de Estado e de Governo dos países-membros da CPLP assinaram, em 17 de Julho de 1998, um Protocolo Modificativo. O documento faculta a Timor Leste, mais recente membro da comunidade, a possibilidade de aderir ao Acordo Ortográfico, mas não menciona data para que entre em vigor.
Segundo o embaixador Luís de Matos Monteiro da Fonseca, secretário executivo da CPLP, natural de Santo Antão - Cabo Verde, em entrevista concedida à revista Marketing de 1º de agosto de 20032, o Acordo Ortográfico já foi ratificado por Brasil e Portugal. “Quem ainda não se decidiu a fazê-lo foram os países africanos de língua portuguesa, que se ressentem de uma presença pouco relevante da modalidade africana do Português na concepção original do Acordo. O problema está em que o Acordo estabelece que sua entrada em vigor somente ocorrerá quando todos os países da CPLP o ratificarem, e esse processo talvez venha a ser demorado”, completa o embaixador.
A escrita padronizada para todos os usuários do português foi desenvolvida por Antonio Houaiss3. Falecido em março de 1999, o filólogo considerava importante que todos os países lusófonos tivessem uma mesma ortografia. No seu livro Sugestões para uma política da língua (1960), ele defende a essência de embasamentos comuns na variedade do português falado no Brasil e em Portugal.
Com as modificações previstas no Acordo, calcula-se que será atingido 1,6% do vocabulário de Portugal e 0,45% do Brasil. Desaparecem da língua escrita, em Portugal, as letras "c" e "p" nas palavras em que não são pronunciadas, como em acção, acto, actor, mas permanecem em palavras como compacto, convicto e egípcio. É consagrada a dupla grafia para palavras escritas e pronunciadas de maneira diferente em Portugal e no Brasil, por exemplo, aspeto e aspecto, facto e fato. Caem os acentos agudos dos ditongos orais abertos em “éi”, exemplo: assembléia e idéia passam a assembleia e ideia. Caem os acentos diferenciais para as palavras homófonas, por exemplo: "pára" do verbo parar e "para" preposição; "pêlo" substantivo e "pelo" contração. Caem os circunflexos das paroxítonas terminadas em "o" duplo: abençôo, enjôo passam para abençoo, enjoo. É aceita a dupla acentuação para as palavras que têm acento circunflexo no Brasil e agudo em Portugal. Exemplo: bebê e bebé, matinê e matiné, fêmur e fêmur. Desaparece totalmente o trema: lingüiça, seqüência, freqüência passam a linguiça, sequência, freqüência.
Permanece o hífen antes das palavras que começam com "h", como em anti-higiênico, pré-histórico, anti-heróico e antes das palavras que começam com a última letra do prefixo, como contra-almirante, hiper-resistente, pré-escolar, anti-imperialismo. Cai, em Portugal, o hífen em palavras formadas com os prefixos "de" e "in", mesmo nas que começam por "h": desumano, desidratado, inábil, inumano. As letras "k", "w" e "y" passam a ser oficialmente incorporadas ao alfabeto da língua portuguesa, que passa a ter 26 letras.
As diferenças entre o português do Brasil e o de Portugal não se limitam à grafia das palavras. Um brasileiro, quando vai a Portugal, fica perdido diante de muitas palavras que têm a mesma grafia e pronúncia que no Brasil, mas possuem significado diferente4; por exemplo, no Brasil, banheiro significa cômodo de banho, em Portugal é a designação para um salva-vidas. Cueca no Brasil é peça íntima masculina, em Portugal, por sua vez, o nome cueca é usado para designar tanto a peça íntima masculina quanto a feminina, então se deduz que homens e mulheres portugueses usam "cuecas". Ademais, existem outras diferenças, no Brasil usa-se a forma você, em Portugal usam o pronome vós: “se eu fizer para você” e “se eu vos fizer”. Há, ainda, segundo Flaviane Romani Fernandes (2001), a diferença na pronúncia. O ritmo do português brasileiro estrutura-se em torno das sílabas, é denominado silábico, enquanto o português lusitano estrutura-se em torno do acento, denominando-se ritmo acentual.
Com todas essas diferenças, e sabendo que acontecerá unificação apenas da ortografia, é errado dizer unificação da língua portuguesa. Para que houvesse unificação da língua seria necessária uma série de modificações, o que é difícil acontecer. Mesmo a unificação da ortografia só será válida para a língua escrita, pois a língua falada apresenta, segundo Ferdinand de Saussure (1973), características individuais, que variam de pessoa para pessoa.

1 Sites sobre a CPLP e o acordo ortográfico: www.cplp.org www.cplp.net
2
Entrevista concedida à revista Marketing – 01 de Agosto de 2003. Disponível em: http://www.cplp.org
3 Houaiss foi tradutor, crítico, escritor, lexicógrafo, diplomata, membro da Academia de Ciência de Lisboa, presidente da Academia Brasileira de Letras e Ministro da Cultura.Informações sobre Antônio Houaiss disponíveis em:
http://www.dicionariohouaiss.com.br/instituto.asp
4 Diferenças entre o português do Brasil e o português de Portugal podem ser encontradas em
http://www.portugues.com.br

REFERÊNCIAS


SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Lingüística Geral. 5 ed. São Paulo: Cultrix, 1973.

FERNANDES, Flaviane Romani. O papel do ritmo nas escolhas léxico-sintáticas em português europeu e em português brasileiro.
Disponível em:

3 Comments:

  • At 11:36, Blogger EQQU said…

    Cool Blog, I blog surf a lot as I like reading people's blogs and also like telling them about mine, please if you are interested in free email that pays you: Email that pays Thanks for looking and keep up the good work with your blog, ill check back later im sure.

     
  • At 12:07, Blogger justice said…

    PRESS RELEASE: work at home

    Wellness Industry is booming. Be apart of it. Support and training given. Paid Holidays as bonus.
    work at home
    work at home site.
    Come and check it out if you get time :-)

    Adrian: Go to google or Yahoo News and search "What Is the Best Work From Home Prospect and Why?"

     
  • At 17:58, Blogger Cauê said…

    Esse tal acordo ortográfico é uma grande besteira.

     

Postar um comentário

<< Home